Translate

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Aventuras no Pará - Marabá


Uns 7 anos atrás, quando comecei no mundo do "Orkut", fiz amizade com algumas pessoas do Pará, dentre essas pessoas fiz um grande amigo, o Amsterdan. Foram anos de amizade, acompanhando os altos e baixos da vida um do outro pela internet, migramos pro Facebook e a amizade continuou. Até que esse ano decidi conhecer meu amigo e sua família pessoalmente.
Mas com essa crise econômica, tive que refazer meus planos: de uns 20 dias que eu planeja passar viajando entre o Maranhão e o Pará, tive que me contentar com uma semana. E lá fui eu passar horas a fio na frente do PC procurando uma passagem barata antes do final das minhas férias, e não é que consegui? Comprei minhas passagens de ida e volta pela GOL por R$ 436,00 já com as taxas de embarque, tudo bem que era cheio de conexões, mas valeu a pena. No dia 22/08/12 peguei um ônibus de São José dos Campos até o aeroporto de Guarulhos, lá peguei um vôo até Belém e de lá a conexão para Marabá, tudo tranquilo. Logo que cheguei a Leila, esposa do meu amigo Amsterdan, foi com uma amiga e a filhinha me buscar, nesse dia tomei um lanche e descansei, mas na verdade eu tava em 220V, doida pra conhecer tudo ali! Essa comigo é a Leila, e embaixo o Amsterdan:



No dia seguinte me levaram pra conhecer uma parte da cidade, que é dividida em três: a antiga Marabá Pioneira, essa é um pouco mais organizada, a Nova Marabá e a Cidade Nova. O trânsito é caótico, ninguém respeita ninguém, fiquei apavorada, hauhauahuaha, e o prefeito poderia investir mais em turismo, a orla da cidade é muito bonita, com acesso à Praia do Tucunaré (um banco de areia encravado no Rio Tocantins), com mesinhas dentro dágua, lindo...).




Aí começou minha viagem gastronômica, eu diria peixonômica, rssssss. Nunca fui muito fã de peixe, mas lá não tinha muita opção, e acabei comendo uma caranha deliciosa no jantar, é um peixe bem grande, de carne bem saborosa. Não é que fiquei fã? No almoço yakissoba feito pela Leila, com muito camarão rosa...


No dia 24 fui passear na orla à noite, e comi outro peixe famoso na região, o filhote, que é um tipo de bagre bem grande, uma delícia, pra variar acompanhado de camarão rosa... e eu pensando que era filhote de tucunaré!!! Pra acompanhar um suco de Taperebá, que aqui a gente conhece como cajá. No almoço eu tinha comido como paraense: peixe, pirão e acaí com farinha!



No sábado pela manhã fomos à orla novamente, embarcamos num pôpôpô (um barquinho típico de lá que tem esse nome por causa do barulho que o motor faz), fomos até a Praia do Tucunaré, tomei uma água de coco numa das mesinhas dentro dágua, com filhotinhos de tucunaré passando entre nossos pés. A água é quentinha, e lá o povo costuma se banhar vestido mesmo, é raro ver alguém de biquini e sunga... Já estávamos ali mesmo e acabamos nos esbaldando também na água.



Depois me levaram pra comer um talharim ao molho branco com camarão e jambú, aquela verdura que adormece a boca da gente, uma delícia. Dali pegamos uma barraca e fomos acampar na Praia do Lençol, chegamos lá no começo da noite, perdi o pôr-do-sol, que pena, mas pude ver o Trem da Vale, porque quase todo o trajeto passa ao lado da Ferrovia Carajás.



Montamos a barraca na beira do rio, dormimos 4 adultos, 1 criança e 2 cachorrinhos na barraca, rssssssss. Sem banheiro! Entramos na água à noite mesmo, quentinha, num córrego que deságua no Rio Tocantins, mas com cuidado por causa das arraias... Ficamos acordados até tarde, conversando, apreciando o céu muito estrelado, e dormimos ouvindo o som das corredeiras e do trem.


Na manhã seguinte já acordamos pulando na água morninha, levantei de madrugada pra ver o sol nascendo e tirei fotos belíssimas, passamos o dia comendo peixe, dessa vez foi um tambaqui, e nadando. Até uma arraia acabou indo pra churrasqueira, mas essa eu não encarei. Pensa num calor! As pessoas acampam até nos bancos de areia, muito legal, tudo muito lindo!



Voltamos pra casa mortos, e ninguém conseguiu levantar nem pra ir tomar um tacacá... só levantamos na segunda-feira... fui à feira, almocei num self-service gaúcho e à noite a turma toda do camping foi lá fazer um churrasco de despedida pra mim. Aí comi tucunaré, ficamos até tarde conversando.



Dia 28, último dia lá, saí pra comprar mais umas lembrancinhas pra minha família pela manhã, quase perco meu vôo que estava marcado para 14h10, mas saiu às 14h00, não consegui fazer o check in on line! Me despedi de meus anfitriões maravilhosos, Amsterdan, Leila e suas filhas Laura e Luanny.


A Luanny ficou numa choradeira, e eu então... o vôo foi rápido até Belém, em Brasília pegaria outra conexão, mas acabou se tornando apenas uma escala, melhor, não? Peguei um pôr do sol lindo de dentro do avião. Chegamos cedo em São Paulo, mas por falta de espaço o avião teve que ficar dando voltas até surgir uma vaga... Chegar em casa e ver a recepção linda que minha filhota preparou não teve preço, rsssss.
 

Foi uma viagem rápida mas muito bonita, fiquei muito feliz de conhecer pessoalmente meu amigo e sua família linda! E conhecer o Rio Tocantins foi maravilhoso. Ah, o crédito de algumas das fotos postadas aqui é do Amsterdan!

Nenhum comentário:

Postar um comentário