Pular para o conteúdo principal

Ubatuba, sua linda!!!


A gente que mora no Vale do Paraíba tem o costume de achar que o litoral norte de São Paulo fica no quintal de casa. Mas é quase mesmo, de tão pertinho.
Inclusive nós, de São José dos Campos, somos muito conhecidos por usar a famosa frase: "Estamos a uma hora da capital, uma hora da serra, uma hora da praia!!!" Êh, coisa boa!
Já que a grana anda curta pra fazer viagens longas, temos feitos passeios curtos aproveitando que estamos perto de tudo.
Nas férias tiramos uma semaninha pra descansar em Ubatuba, ah, Ubatuba sua linda!!!
Através do site Air BnB, alugamos a Casinha Namastê. Um dos motivos de optar por alugar uma casa foi que queríamos levar nossos gatos com a gente, inspirados principalmente pelo casal viajante do Xino Xano. Quis fazer uma experiência, pois meu medo era os gatos fugirem durante a estadia e até teve um sustinho, que conto mais pra frente. Acabei deixando o Darth Vader em casa, aos cuidados do meu irmão e optei por levar só as "meninas", Kira e Yzma.


Gatos em geral não gostam de viajar, mudar de ambiente é um martírio pra eles, então ficaram um pouquinho estressadas no trajeto, chegando na casa não queriam sair de um dos quartos, o que até me deixou tranquila.
Apesar de ter feito frio, conseguimos aproveitar bem a estadia. Ubatuba tem mais de 100 praias, pra todos os gostos, praias urbanas, praias desertas, praias de ilhas. A praia da Maranduba, que já conhecemos bem, é muito bem estruturada para receber o turista, contando com restaurantes, padarias, mercados, sorveterias, posto de combustível.
O bairro Sertão da Quina, onde ficamos, tem parte do Parque Estadual da Serra do Mar, também tem a rota das Cachoeiras a 400m da casinha onde ficamos (mas acabei não indo até as cachoeiras, pois só no último dia soube que ficavam tão perto)...
No primeiro dia demos um pulo até o Centro. Fazia muitos, muitos anos que eu não ia até lá. Chegamos lá já à noite, e tivemos a sorte de ver que o Aquário de Ubatuba fica aberto até as 20h00, pagamos meia entrada cada uma, num total de R$ 30,00 e fomos conhecer o local. É pequeno, mas não deixa de ser interessante.




Andamos pelo centrinho, que está muito bem estruturado, caminhamos pela orla. Quase todos os dias de nossa estadia fomos ao centro, foi ali, nos dias seguintes, que também conhecemos a Ilha dos Pescadores, que vende peixe fresco e frutas orgânicas. Conhecemos o Centro Históricos, o farol, o píer, visitamos a Praia do Cruzeiro, ou Iperoig, que conta com uma estátua do Padre Anchieta, pois foi em suas areias que ele escreveu seu famoso poema à Virgem, e soubemos que o Trópico de Capricórnio passa por ali...

















No primeiro dia, depois de algumas horas a dona Yzma resolveu conhecer o quintal, saiu, subiu no muro e quem disse que conseguíamos pegar de volta? Tentamos, tentamos e desistimos porque estava ficando tarde e ainda queríamos ir ao centro, quando voltamos, à noite, a mocinha desceu e entrou em casa...



No segundo dia foi a vez da Kira, subiu no telhado e sumiu, e eu, claro, não dormi... Ouvia ela correndo em cima do telhado, brigando com outros gatos, mas nada de entrar, voltou de madrugada, e eu acabada sem dormir por causa dela... Daí pra frente, só as deixava sair sob nossa rigorosa supervisão, e sempre ficavam dentro de casa quando não estávamos. De qualquer forma, elas amaram aquele quintal cheio de árvores, grama, passarinhos (calma, elas não conseguiram caçar nenhum!).



Visitamos o Projeto Tamar, que atualmente custa R$19,00 por pessoa, também pagamos meia, então valeu a pena; o que achamos diferente foi esse Tamar não ficar na beira da praia como os outros que já conhecemos, mas aí veio a explicação: Ubatuba não é área de procriação, apenas de alimentação, por isso não há necessidade de ficar na orla, não existem ninhos ali para serem protegidos.









No terceiro dia, como estava muito frio e caindo uma garoa fininha, não nos animamos a ir longe, ficamos ali pela Maranduba mesmo, passeamos pela praia do Sapê e fomos até o final da praia da Lagoinha, uma delícia de lugar aquele.





No penúltimo dia em que estávamos lá minha tia Tatá desceu pra nos fazer companhia, nesse dia fez sol, ficamos um pouco ali na Maranduba mesmo e mais tarde fomos ao centro, tomamos sorvete, demos um pulinho no Saco da Ribeira, para ver o Festival de Inverno, mas chegamos cedo demais, não tinha ninguém ainda, desistimos de esperar.
No último dia, aproveitando que estava calor, pedi informação à Caru, turismóloga e dona da casinha onde estávamos, queria saber como estava a estrada para a praia da Caçandoca, fazia muito tempo que queríamos conhecer essa praia, principalmente por causa da comunidade quilombola que vive ali. Ela disse que teríamos que pegar uns 5 km de estrada de terra, mas que a estrada estava boa e nosso carro alto também ajudava. Então lá fomos nós...





A estrada não é tão boa assim, tem que subir uma serrinha, nem dá pra acreditar que estamos procurando uma praia, rsssssss, e o fato do carro ser alto ajudou sim, enfim chegamos à comunidade, e foi engraçado porque a Lívia esperava ver algo muito diferente, ver algo como na novela A Escrava Isaura, aí expliquei que os tempos mudaram e não veríamos o povo vestido com aqueles trajes típicos, nem morando em casebres de pau-a-pique, a modernidade chegou ali...
Finalmente chegamos na praia, que linda!!! Que vista! E aqui vai a dica: o lado direito da praia consegue ser ainda mais bonito, com um riacho de águas transparentes, tão lindo, tão bucólico, com boa sombra e uma trilha curta que leva à praia da Caçandoquinha, uma lindezinha, uma miniatura da outra, até com um córrego de águinhas transparentes no canto direito também. Leve bastante repelente porque os borrachudos não perdoam. A partir da Caçandoquinha outra trilha leva até o Saco das Bananas, não nos animamos a fazer a trilha porque estava bem deserta, mas numa próxima iremos.







Na volta compramos camarão por um preço convidativo, voltamos pra casinha demos uma ajeitadinha nas coisas, pegamos as gatas e voltamos pra casa, morrendo de vontade de ficar, de morar ali, que delícia de lugar que é Ubatuba... Conheço Ubatuba desde sempre, é nosso lugar preferido no litoral norte, mas como lemos num guia turístico lá na casinha Namastê, são necessários quase quatro meses pra conhecer todas as praias de Ubatuba isso se você decidir conhecer uma por dia, sem pressa então...

O que não falta é site e blog falando de Ubatuba e suas belezas, aqui um desses sites: https://www.vivaubatuba.com.br/
No AirBnb  você encontra diversos tipos de hospedagem em qualquer lugar do mundo: www.airbnb.com.br
Viagem com bichinhos de estimação? Dá uma olhada no pessoal do Xino-Xano, inspirador, dá uma olhada lá no site deles: www.xinoxanolatinoamerica.com/viajar-con-gatos/



Comentários

Mais visitados

Um dia... Bonito

Todo mundo já deve ter ouvido que Bonito é Lindo, e não é que é mesmo?! Essa história já tem um tempinho...

A tralha... Ops, equipamento!

Faz pouco tempo que começamos nessa vida de campistas, e assim que decidimos comprar nossa primeira barraca, em outubro de 2011, achamos que era necessário comprar mais algumas coisinhas pra complementar, ficamos enlouquecidos e saímos comprando tudo que achávamos interessante, rssssss! E sempre que surge uma oportunidade juntamos a tralha e saímos por aí...

Isolante Térmico

Oi, gente! Passando aqui só pra dar uma dica rápida: Isolante Térmico, o frio já está voltando!!!
A maioria das vezes acampamos no verão. É que eu tenho um probleminha com o inverno: eu odeio o frio! Eu sofro demais com o frio!